Utilizamos cookies para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você concorda e aceita nossa Política de Privacidade.

Se preferir, informe quais cookies você permite utilizarmos clicando aqui.

Política de Cookies

Cookies são arquivos que auxiliam no reconhecimento do seu acesso ao site. Para personalizar e melhorar sua experiência, sugerir conteúdos de acordo com seu perfil, e facilitando a navegação de forma segura. Abaixo, temos a descrição de quais são os tipos de Cookies que usamos . Caso tenha dúvidas, acesse a nossa Política de Privacidade.

Tipos de Cookies que usamos

Essenciais

Estes cookies são imprescindíveis para a operação do site. A opção de usá-los vem selecionada por padrão, pois sem eles, a navegação fica comprometida e você não consegue aproveitar algumas funcionalidades básicas que o nosso site oferece.

Escola Aberta do Terceiro Setor

Cursos

Blog

Link copiado para área de transferência

Para fazer essa ação você precisar estar logado na plataforma.

Para alcançar uma boa colocação no mercado profissional, as empresas esperam que os candidatos possuam determinadas proficiências. Trata-se de um conjunto de aptidões conhecidas como hard skills e soft skills e que, respectivamente, englobam capacidades técnicas e comportamentais do indivíduo.

Essas competências costumam ser identificadas nas oportunidades de emprego e dizem respeito a conhecimentos diversos. Domínio de programas de informática, boa comunicação interpessoal, talento para liderança são bons exemplos dessas qualificações.

Entretanto, qual o significa real de hard skills e soft skills? E qual a diferença dos dois termos? Para descobrir a resposta para essas perguntas, basta continuar seguindo este conteúdo:

O significado de Hard Skills e Soft Skills

A palavra skill vem do inglês e significa “habilidade”. Os termos hard skills e soft skills estão diretamente focados no mercado de trabalho e são utilizados para designar a competência e os conhecimentos que um profissional pode ter para assumir determinado cargo.

Essas aptidões podem ou não constar no currículo de uma pessoa e são definidas da seguinte maneira:

Hard Skills

São as chamadas habilidades técnicas, adquiridas por meio do estudo, da prática e da capacitação profissional. Trata-se da destreza que uma pessoa tem para cumprir uma tarefa e demonstrar isso ao seu time, como a competência que um auxiliar contábil possui para construir planilhas e fazer contas.

Por muito tempo, foram as principais e únicas aptidões consideradas pelos recrutadores e estão diretamente ligadas às chances de empregabilidade de um indivíduo. Para fortalece-las é preciso muitas vezes de treino e dedicação, uma vez que elas melhoram com a experiência adquirida ao longo do tempo.

Cada área de atuação terá seu conjunto específico de hard skills essenciais: para um programador será, é claro, programar, para uma costureira será o ato de costurar. Entretanto, no mercado atual, há habilidades técnicas que podem englobar diversas áreas. Nesses casos, alguns exemplos são:

  • Entendimento de línguas estrangeiras;
  • Habilidades com Pacote Office e informática;
  • Capacidade de operação de máquinas;
  • Conhecimentos de gestão de pessoas e produtividade;
  • Familiaridade com a linguagem de HTML.

As hard skills são facilmente reconhecidas, pois sempre são elencadas em currículos. Ainda assim, os times de recrutamento também costumam testar os candidatos para verificar suas competências nesses casos.

Entretanto, mesmo altamente relevantes para as empresas, elas não são as únicas habilitações a serem consideradas em um processo seletivo.

Soft Skills

O segundo tipo de habilidades que chamam a atenção das organizações são competências comportamentais. As soft skills dizem respeito ao modo como um indivíduo lida com as situações ao seu redor, que envolvem desde a convivência com colegas de trabalho, até a superação de desafios.

Elas são mais complicadas de quantificar e até mesmo reconhecer, uma vez que não são notadas por uma formação específica para o mercado profissional. Essas competências também são dificilmente ensinadas. Entretanto, podem ser desenvolvidas quando uma pessoa se compromete em reconhecer detalhes de seu comportamento e busca trabalhar para melhorá-los.

Atualmente, as soft skills ganharam relevância para os recrutadores. Isso porque para eles pouco vale a pena ter em seu time colaboradores bem capacitados tecnicamente, mas que não conseguem agir sob pressão, mostram um mau relacionamento com a equipe e têm dificuldade em superar desafios.

Essas habilidades podem ser aplicadas em qualquer setor de trabalho. Alguns exemplos delas são:

  • Senso de liderança;
  • Comunicação interpessoal;
  • Boa persuasão;
  • Capacidade analítica;
  • Resolução de conflitos;
  • Ser proativo;
  • Saber lidar com situações de pressão.

Embora elas possam ser indicadas em um currículo, por não poderem ser facilmente comprovadas, muitas pessoas não inserem essas habilidades nesse tipo de documento.

Além disso, quando um profissional afirma que possui uma soft skill em seu perfil, os times de recrutamento solicitam que ele relate exemplos de situações em que demonstrou ter tal competência.

A importância dessas habilidades para as empresas

Como se pode notar, há diferenças bem específicas entre hard skill e soft skills. Enquanto algumas dessas capacidades são técnicas e de fácil comprovação, outras dizem respeito ao comportamento e à personalidade de cada indivíduo. Isso levanta uma questão: ambos os tipos de competências são realmente importantes para as organizações?

No caso das hard skills, é fácil notar sua relevância. Sem elas, um profissional não conseguirá concluir as demandas de trabalho para ele encaminhadas. Por isso, parecem ter uma importância maior para as empresas.

Entretanto, as soft skills também possuem um valor significativo. Essas habilidades afetam diretamente o clima organizacional de uma instituição. O modo como um funcionário se relaciona com os outros, sua produtividade e sua capacidade de adaptação a novas ferramentas são influenciadas por tais competências.

Dessa forma, as empresas igualmente esperam que seus colaboradores tenham certo número de soft skills bem desenvolvidas. A ideia é que, com elas, se consiga promover um ambiente de trabalho mais colaborativo e voltado para os resultados do negócio.

Esses dois diferentes tipos de habilidades atuam assim de maneira complementar. Com ambas, é possível garantir que as tarefas sejam executadas com a competência técnica essencial e com menores conflitos entre as equipes de colaboradores.

Empresas que reconhecem a importância de promover o desenvolvimento de hard e soft skills têm mais chances de crescer no mercado e conseguem promover uma cultura organizacional mais saudável.

Como desenvolver Hard Skills e Soft Skills?

Por serem diferentes, ambos os tipos de habilidades exigem processos distintos para serem aprimoradas. No caso das hard skills, é mais simples evoluí-las. Basta identificar as necessidades para a área de trabalho escolhida e procurar por cursos e materiais de estudo que promovam a capacitação técnica do profissional.

Como citado anteriormente, aperfeiçoar as soft skills é um processo mais demorado e complicado. Muitas vezes, dependerá de cada pessoa reconhecer quais são os pontos fortes e os pontos fracos em seu comportamento, para assim buscar auxílio.

Importante também estar sempre em contato com os colegas de trabalhar e se abrir para feedbacks. A comunicação é uma ferramenta vital no que diz respeito à evolução comportamental de um profissional.

Vale notar que o desenvolvimento dessas habilidades também está relacionado a uma boa inteligência emocional do indivíduo. Quem reconhece suas emoções consegue ter maior controle de seu comportamento.

Há algumas hard skills e soft skills que costumam ser comuns a todas as áreas de trabalho. De olho nisso, a e-Hive auxilia profissionais que desejam melhorar suas competências técnicas e comportamentais com um curso de Hard Skills e Soft Skills em sua plataforma.

Por meio dele, o indivíduo tem acesso a ferramentas e conceitos básicos para sua especialização, além de se aprofundar nas qualificações pessoais almejadas pelo mercado de trabalho.

O papel do RH no desenvolvimento dessas competências

Necessário ainda dizer que o time de recursos humanos de uma empresa tem papel fundamental no crescimento técnico e comportamental de seus colaboradores.

Eles podem promover a evolução dos profissionais por meio de palestras educativas, programas de treinamento e financiamento de cursos de qualificação. O apoio psicológico também é essencial, de modo que o RH deve estar sempre aberto a ouvir opiniões, sugestões e críticas sobre o ambiente de trabalho.

Desenvolver hard skills e soft skills é algo a ser realizado pelo colaborador, mas as empresas igualmente devem incentivar esse processo.